A infância ao longo do tempo #1

16 de fevereiro de 2015 | 2 comentários

Como será que a infância era vista pelas famílias aristocráticas do Antigo Regime? Será que os pais eram tão preocupados com os filhos quanto hoje em dia? Por quem eram cuidadas e educadas as crianças? O que se esperava que aprendessem?

Captura de Tela 2015-02-15 às 11.39.08

“Os Três Filhos de Carlos I”, quadro de Anthony van Dyck, 1635.

As crianças aristocráticas dos séculos XVI e XVII viviam em castelos, relativamente isolados uns dos outros. Assim, esses lares nobres sofriam poucas interferências externas, pois o monarca geralmente não se ocupava de regular as relações familiares. Cada habitante do castelo tinha suas funções e papéis organizados por rígidas regras ligadas à tradição. As mulheres tinham a função de tomar conta da vida social e de ter filhos herdeiros, embora não os criassem nem cuidasse do lar. Enquanto isso, os homens iam à guerra.

Diferentemente dos lares de hoje, o espaço do castelo era compartilhado por parentes, criados e dependentes da família. Podiam viver juntas até 200 pessoas e a privacidade a que estamos acostumados não era possível. Além disso, as condições de higiene eram extremamente precárias.

Em meio a este contexto, as crianças eram muitas vezes cuidadas por criados ou enviadas a casas de outros integrantes da nobreza para serem educadas. Os pais pouco se ocupavam de seus herdeiros e os primeiros vínculos das crianças eram normalmente estabelecidos com outras pessoas. O aleitamento era função de amas-de-leite e se considerava que o leite era um fluido sanguíneo, sendo os bebês tomados por pequenos vampiros, sugadores indesejáveis das mulheres.

A mortalidade infantil era bastante comum e poucos eram os cuidados dispensados às crianças. Além disso, quando nascia um filho ilegítimo, o mesmo podia ser enviado a amas consideradas “assassinas”, em cujas mãos várias crianças haviam morrido.

Nesta época, os infantes eram considerados como pequenos animais incômodos, demoníacos ou, por vezes, divertidos aos olhos dos adultos. Não havia uma diferenciação clara entre a infância e a maturidade, tanto era assim que um adulto podia sentir-se ameaçado por uma criança, inclusive revidando seus atos de voluntariedade e desobediência de forma violenta. A sexualidade infantil era tratada como algo natural e os mais velhos incentivavam esta prática entre os pequenos, muitas vezes afagando seus órgãos sexuais e se divertindo ao vê-los engajados nestas atividades.

A educação envolvia espancamentos e punições públicas, quando havia transgressão das regras estabelecidas pela tradição e pela hierarquia social. Nestes momentos, o desejo era provocar na criança o sentimento de vergonha, não de culpa, como acontece mais frequentemente nos dias atuais. O controle dos atos não vinha do próprio indivíduo e sim de instâncias externas. Os comportamentos inadequados também eram explicados por meio do exame das fezes infantis, nas quais se acreditava que estavam expressos traços de caráter ou rastros do demônio.

Foi possível entender como nesta época o tratamento das crianças e a forma de compreender a infância eram tão diferentes do que se concebe atualmente? Será que hoje em dia ainda sofremos alguma influência deste tipo de visão? O que você pensa sobre este assunto? Escreva para nós!

 

Outras publicações que podem interessar…

“Esqueceram de me dar amor”

Os pais comandam. Os filhos agradecem.

Outros posts dessa série:

A infância ao longo do tempo #2 – Crianças camponesas do Antigo Regime

A infância ao longo do tempo #3 – Criança burguesa do século XIX

A infância ao longo do tempo #4 – Criança de família operária da Revolução Industrial

A infância ao longo do tempo #5 – Criança contemporânea

Compartilhe!

2 Comentários

  1. Silvana
    16 de fevereiro de 2015

    Essa educação ainda perpetua no Brasil. Quanto mais isolados, pobres e ignorantes os pais, mais se detecta a cultura da punição, humilhação pública e abusos sexuais sobre as crianças.
    Nota-se que, quando não há comunicação entre as pessoas ou comunidades, as crianças e mulheres ficam a mercê da cultura machista vigente no país. Não se sabe que há lei de proteção a criança, idoso e mulher, delegacia de mulheres, etc. Quanto mais pobres as crianças, mais expostas a abusos de toda sorte,bullying, trabalho infantil, sexual, tráfico de drogas, abandono. A ignorância que faz fechar os olhos a tudo isto, não permite se vislumbrar novas possibilidades de relacionamento com as crianças, e como foram humilhados, continuam a usar a humilhação como forma de conter as crianças. Como são depreciados pelos patrões, ensinam as crianças a serem obedientes e submissas aos mais abastados, esperando que ” caiam migalhas da mesa de seus senhores”, fazendo com que cresçam achando que são menos capazes de aprender que os outros. A cultura de transmitir conhecimento oral, faz com que existam tabus quanto a certos conhecimentos ” socialmente impróprios”, o que faz do aprendizado cheios de lacunas a serem preenchidas e se perpetue a cultura dos excluídos.
    Muito se avançou na lei e na divulgação do “pó que era varrido para debaixo do tapete”, porém, as famílias continuam escondendo os abusos que ocorrem dentro de casa para não fazerem parte dos out sidere, isso independe de classe social pois os abusadores estão em toda parte, inclusive entre os educadores.

    Responder
    • Andréa Luize
      13 de março de 2015

      Este post nos permite mesmo fazer inúmeras e importantes reflexões, Silvana.
      Obrigada por enviar teu comentário.
      Um abraço!

      Responder

Participe da conversa!