Aprender Linguagem: o começo da gramática

1 de fevereiro de 2017 | Comente!

Conhecer palavras é diferente de saber relacioná-las entre si. Como os adultos podem ajudar as crianças na passagem das palavras para as frases?

A situação abaixo, por exemplo, pode ser comum para muitos adultos que interagem com crianças:

post0102

No cenário apresentado, o bebê não entende tudo o que o adulto diz, mas reage à palavra “chupeta”, que ele conhece. O desafio em jogo é que para ser um falante competente a criança precisa ir além do domínio de um vocabulário amplo: ela precisa compreender as relações entre as palavras, ou seja, adquirir conhecimento gramatical.

Continuando a cena acima, podemos imaginar que o adulto pede para a criança colocar a chupeta em cima da mesa. “Chupeta” e “mesa” podem ser palavras conhecidas, mas para entender a frase completa o bebê precisa compreender a relação entre o seu próprio corpo e a localização dos objetos no ambiente em que está. Isso quer dizer que antes de aprender gramática, as crianças precisam construir noções que relacionam o corpo delas em interação com outros objetos inseridos em um ambiente. Elas descobrem, gradualmente, que o próprio corpo e alguns objetos podem ser colocados “dentro”, “fora”, “em cima” ou “embaixo” de outros.

Pouco a pouco, a sua compreensão dessas noções e, por consequência, da gramática e das frases, vai aumentar. Mas existe ainda um caminho a percorrer entre a compreensão do que lhes é dito e da produção das próprias frases. Ou seja, os bebês entendem mais do que falam. Mesmo quando dizem apenas palavras soltas, muitas vezes já são capazes de entender várias frases que os adultos dirigem a eles.

Que atitudes os adultos podem adotar para contribuir para esse aprendizado? Como podem estimular o bebê a se familiarizar com a gramática para aprender a construir frases sozinho?

Como vimos acima, a aprendizagem da gramática pelas crianças começa na compreensão das frases que os adultos dirigem a elas. Dar pistas para os bebês entenderem o que estão dizendo para eles é uma ótima maneira de aumentar e facilitar essa compreensão. Reforçar a informação por meio de gestos, expressões faciais e do olhar, e marcar com entonação exagerada o sentido do que está sendo falado, contribuem para que a criança entenda cada vez melhor o sentido completo das frases. Dizer em voz alta o que o bebê está fazendo, ou completando em frases coisas que o bebê está indicando rudimentarmente podem fazê-lo entender cada vez melhor o fato de que existem palavras que servem para coisas diferentes, como nomear coisas, ações, descrever propriedades, modificar o sentido delas.

Aprender linguagem é um exercício constante, que envolve aprender o significado das palavras, como pronunciá-las, descobrir as possíveis relações entre elas, entender as relações entre as coisas, entre você, seu corpo, as outras pessoas, os outros objetos, a modular sua voz, e aprender a articular o seu pensamento e expressá-lo adequadamente para os outros, seja falando ou escrevendo. Os bebês, com as devidas oportunidades e por meio da interação de qualidade com adultos falantes que fazem parte da sua vida, têm o potencial de se tornarem falantes competentes, dominando a linguagem. Toda criança pode aprender, e aos adultos cabe fazer o possível para que elas atinjam todo o seu potencial.

 

Outros posts que podem interessar:

Aprender Linguagem – como se comunicar com a criança que ainda não sabe falar?

Aprender Linguagem – como as interações com o bebê contribuem para o desenvolvimento da linguagem?

Aprender Linguagem: percebendo sons e palavras

Aprender Linguagem: fazendo os primeiros sons

Brincar e aprender linguagem – por que valorizamos tanto isso no Toda Criança Pode Aprender?

Série: “O Mundo Secreto dos Bebês – Aprendendo a Falar”

A linguagem nos constitui

Conversar com as crianças desde que nascem pode fazer muita diferença!

Compartilhe!

Participe da conversa!