As crianças não são apenas o futuro: elas também são o presente

14 de junho de 2017 | Comente!

Sim, as crianças são os adultos de amanhã. Mas também vivem e participam intensamente do aqui e agora.

post1406

Imagem retirada do Facebook do Curta-metragem ¿Bailamos?

Frequentemente percebemos as crianças como um símbolo do futuro ou como aqueles que podem fazer a diferença na continuidade e transformação da nossa sociedade. É claro que elas serão responsáveis por tomar grandes decisões no amanhã. Mas é também verdade que muitas vezes essa afirmação faz com que nos esqueçamos de suas necessidades, desejos e possibilidades de participação no presente.

Além disso, essa forma de projetar no futuro as chances de mudança tira das mãos daqueles que são hoje adultos a responsabilidade de lutar por um porvir melhor para todos. O papel dos mais velhos não é apenas preparar os pequenos para lidar com os desafios do amanhã, mas também cuidar do mundo que deixaremos para eles como herança.

O vídeo espanhol ¿Bailamos?, da JAF Producciones, busca abrir os olhos dos adultos para o quanto é importante deixar as crianças vivenciarem plenamente a infância, sem abarrotá-las com as próprias angústias, preocupações e expectativas. Na pequena narrativa uma menina apresenta ao pai seu desejo de dançar e ele tenta convencê-la da importância de ela investir apenas em coisas úteis, que a ajudem a ser uma boa profissional. A partir das perguntas da garota, o pai passa a se questionar também. Os criadores do curta afirmam:

“O propósito desse vídeo é recordar aos pais, submersos em uma dinâmica cultural de trabalho e consumo, que as crianças são crianças, que devem brincar e desfrutar da infância. Devemos apoiá-las em suas metas e seus sonhos e, é claro, brincar com elas. A obsessão por procurar o que é melhor para eles pode nos cegar e nos fazer esquecer das coisas que dão sentido à nossa vida, algo que transmitimos também a eles.” *


¿Bailamos? © por jafproducciones

É preciso dar espaço para que as crianças experimentem o mundo a partir de seus olhares, das necessidades e interesses que manifestam no aqui e agora. A garantia de uma infância bem aproveitada, em que é possível criar, se expressar e agir espontaneamente é, por si só, um investimento que rende frutos no presente e no futuro.

* Texto original, em espanhol: “El propósito de este vídeo es recordar a los padres sumergidos en una dinámica cultural de trabajo y consumo, que los niños son niños, y que deben jugar y disfrutar su niñez y apoyarlos en sus metas y sus sueños y por supuesto… jugar con ellos. La obsesión por procurarles lo mejor, nos puede cegar y hacernos olvidar las cosas que dan sentido a nuestra vida, transmitiéndoselo también a ellos.”

 

Outros posts que podem interessar:

Infância não é carreira e filho não é troféu

Que infância as crianças que vivem em meio a conflitos e guerras podem ter?

Pequenos notáveis: a superexposição na infância

Brincar é urgente

Tempo das nossas crianças

Compartilhe!

Participe da conversa!