DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Como os primeiros momentos de vida nos marcam neurobiologicamente?

8 de dezembro de 2014 | Comente!

Você sabia que nossas primeiras experiências ficam registradas em nosso corpo? Como será que isso acontece? Qual a importância de uma vivência da qual não nos lembraremos mais?

desenv inf-neuro

Rede neuronal – © Kiyoshi Takahase/istockphoto

 

Como o desenvolvimento neurobiológico ocorre nos primeiros momentos de vida? Qual a sua relação com as primeiras ligações afetivas e vínculos do bebê?

Quando a criança nasce ela é completamente dependente do adulto para a sobrevivência, embora possua capacidades e experiências particulares, conforme dissemos aqui e aqui. O organismo e o cérebro ainda estão em desenvolvimento e isso torna o recém nascido extremamente sensível e perceptivo aos estímulos de seu entorno. Por isso ele é incrivelmente apto a construir conexões e comunicações cerebrais importantes, chamadas redes sinápticas, o que também faz dele um ser vulnerável.

Nesta etapa, é importante que o adulto exerça papéis de proteção e acolhimento, tornando as vivências mais brandas e seguras. Conforme vão se conhecendo, o bebê e cuidador estabelecem formas de comunicação e o adulto é capaz de dar sentido ao que a criança reivindica. Assim, um choro passa a indicar fome, dor ou sono e tais solicitações, ao serem satisfeitas, ajudam o bebê a gradativamente entender que o desconforto que sente tem um significado específico. A função do adulto de completar o gesto da criança, oferecendo a ela o necessário para sua satisfação e ao mesmo tempo dando contorno ao que é vivenciado por ela é chamada de maternagem. Embora o termo se relacione com a palavra “mãe”, não precisa ser exercida apenas pela mãe.

Quando estas primeiras vivências emocionais e corporais são positivas, ajudam a criança a criar redes sinápticas de forma mais funcional.

Mas qual a relação entre estas experiências e o desenvolvimento neurológico?

Uma das estruturas do sistema nervoso central, a amígdala, é responsável por disparar reações comportamentais frente a situações de medo e ansiedade. No recém-nascido ela é constantemente ativada, pois a proteção do adulto se faz necessária em inúmeras situações. Conforme o bebê vai tendo sensação de segurança em relação ao ambiente e às relações de forma contínua (através de cuidados adequados) acumula experiências positivas em seu sistema neurológico. Assim, a amígdala passa a ser acionada de forma mais coerente, apenas em momentos de necessidade, pois a criança vai compreendendo que nem tudo é ameaça.

desenv inf

 

As primeiras vivências da criança no mundo são fundamentais para a sua constituição e de alguma maneira deixarão marcas definitivas. Porém, um começo de vida não ideal não equivale a uma condenação para o futuro. A inteligência e a cognição são aspectos muito complexos do ser humano, que envolvem diversos fatores e estão em constante transformação.

Acompanhe nossa série de posts a respeito do desenvolvimento e da aprendizagem para saber mais sobre o tema!

Aceitamos sugestões e dúvidas para continuidade do assunto.

Outras publicações que podem interessar…

Cérebro é o órgão que consome mais energia dos bebês

Bebês nascem com 5 vezes mais neurônios do que terão quando adultos

Estágios de desenvolvimento de Jean Piaget

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – As conquistas do primeiro ano de vida

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – 10 a 11 Meses: Primeiros Passos e Primeiras Palavras

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Dos 7 aos 9 meses: A descoberta dos próprios gestos

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – O bebê de 6 meses e a percepção de si

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Aos 5 meses: começando a compreender o mundo

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Dos 3 aos 4 meses: Primeiras explorações mundo a fora

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Primeiro mês de vida: será mesmo que os bebês “só choram, comem e dormem”?

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Tchau barriga! E agora? Para onde eu vou?

DESENVOLVIMENTO INFANTIL – Lá de dentro: o que aprendemos durante a vida intra-uterina?

 

 

Compartilhe!

Participe da conversa!